terça-feira, 2 de outubro de 2007

A carta que eu não entreguei

Sabe, eu nunca quis me afastar... eu só queria você como antes, seu amor por inteiro, dando a mão pra minha alma e acariciando meu coração. Não, esta não é uma carta de despedida, nem de reclamações da vida. Eu tô tentando contar da ferida que eu tentei curar até com água fria... Sim, pode ser mania achar ruim ter menos dias, mas não tem sentido se não contar cada dia que passa. Tem que crescer o calor. Tá bom que tá chegando a primavera, mas nem tudo são flores meu amor.

Um comentário:

Tiago Abreu disse...

é, a chuva veio, você viu? veio e trouxe a primavera. é, podes por bem da tua dor pensar que nem tudo são flores, mas eu te digo: deixa que o leve vento leve e espalhe o nosso grão-de-pólen... aí verás: tudo será flor.
amo você minha pérola