sábado, 4 de outubro de 2008


Delicada e Arredia agora tem uma nova casa...
www.anazumpano.blogspot.com

domingo, 28 de setembro de 2008

d0r


hoje
eu não vejo mais o mesmo
me atinge de uma forma bem estranha
revira só até a cabeça
embriaga pela metade
traz solidão
e faz pensar nos dias
com gosto amargo na boca
excluindo qualquer caminho de prazer
deixando fácil
acesso livre
batalhão de dúvidas

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

ontem, o dia todo, ensaiei para pegar um rascunho e escrever, escrever e escrever. mas no mesmo momento eu já desistia, gosto de escrever invadida de sentimentos bons e a verdade é que estava tudo misturado aqui dentro, tanta coisa pra dizer, tanta coisa que não deve ser dita, cautela. esse tempo frio me alegra, eu fico feliz, nostálgica, enfim o frio só me traz lembranças boas, esse mês só me traz felicidade... daqui uns dias completa 3 anos, de muita mudança, e lembranças boas. ai ai, sabe aqueles suspiros, então, hoje eu tô bem assim... já quero voltar pra debaixo das cobertas, sim aproveitar enquanto eu posso, ficar vendo essa neblina gostosa lá fora, vivendo meu amor aqui dentro do meu mundo e fazendo planos e mais planos pro futuro, não faz mal sonhar, mesmo que em certos dias tudo pareça desabar.



OUTUBROCHEGAEINVADEMEUCORAÇÃODEFELICIDADE

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

o meu amor
é inteiro
é meio
de mim
com o coração
elevado
à quarta
de felicidade

terça-feira, 16 de setembro de 2008

vamos praticar o desapego!
mas como?
como nos desapegar de algo
que nos pega?
falar é fácil, já dizia o velho deitado
num mundo de desilusões
onde o máximo da esperteza
é sonhar e não agir
eu ajo pra sonhar
perfeito fosse se nós
fôssemos igual a um passarinho
livre canta voa
e o que lhes apega?
o simples fato de sua vida ter um
começo meio e fim
.
.
.
poema do meu amigo Rafael, que começou a escrever pra libertar dores e felicidades da vida.
Ótimo!

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

a luz recente
clareia as idéias
buscando encaixar cores
no preto e no branco
revendo ilusões
viagens alheias
compondo um cenário qualquer
criando um medo nada real
vergonha do que não vêm de mim
não compreendo
essas dúvidas, também não são minhas

terça-feira, 9 de setembro de 2008

Do meu poeta predileto:

Ode ao amor

Amor ao Vento
é o sentimento da brisa
que dorme ao relento

orvalho teu viaja
a madrugada através
dos sonhos

versos em vão.
é o que eu sou:
uma curva de rio

um violino solitário
uma árvore em transe
exposta ao crime do mundo

predisposto à embriaguez
surdo ao excesso de luz:
o que é muito claro incomoda

"o que é muito maduro
apodrece logo"

e o que é sempre verde
conhecerá novas cores jamais!

espero não acordar amanhã
deixo alguns versos para o mundo que deixarei

saudades nunca, apenas lembranças
memórias não,
recordação.

vou deixar que o leve vento leve e espalhe o grão-de-pólen
eles não sabem o que fazem mesmo
quando pensam que escolhem.

"sei que vou morrer, não sei a hora"
levarei saudades da amora...

www.flordoacaso.blogspot.com

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Flor de São José Estrela de Davi


Flor de São José
Estrela de Davi
Aroma de Flor
Muita Paz
&
Muito Amor


sexta-feira, 29 de agosto de 2008

me viro
e te vejo
louca pra te chamar
e te dizer que hoje
aprendi mais coisas
sobre você
te contar
que atravessei a noite
com sorriso no rosto
respirando cheiro seu
felicidade mútua

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

- Vi o elevador abrindo as portas e seu sorriso ansioso, você pegou as minhas malas e levou para o carro.

Aquele clima de fim de ano, cheiro de férias, mais uma das nossas viagens. Zé, cê sabe onde eu fico, passa aqui qualquer dia desses com o carro cheio. A chave do apartamento cê tem, e minha mão já é sua. Então corre Zé, senão, num dia como o de hoje quem passa aí sou eu, e a urgência vai ser tanta que vai caber só nós dois mesmo no carro, e no máximo aquele livro que cê gosta. Vambora Zé! Eu já me cansei de sonhar...

quarta-feira, 13 de agosto de 2008


independe do consciente. meu amor muitas vezes fere a ética, a moral e os bons costumes. psiquê, UNIÃO DO AMOR E DA ALMA. é não, sabendo que amanhã vai ser sim. faz-se hoje, agora, sabendo que está porvir o desejo, que engana e surpreende, não é premeditado. ofereci a outra face e me orgulho disso! nunca fui mulher de chorar baixinho, de ter medo de ordens e nunca me dediquei a algum seriado americano. eu acredito no pra sempre, no final feliz, no amor "clichê". que soe piegas! talvez eu deveria me chamar Maria, Antônia, Francisca... sei que o amor é bonito pra quem ama. eu amo bonito, não o temo, pois é ele que me move.
o amor renasceu hoje!

segunda-feira, 28 de julho de 2008

início dos 20 e poucos anos...



o silêncio que precede o sufoco
angústia, ansiedade
um certo medo bobo
olhei meia hora,
cravada no relógio
nele, existe tempo.
indícios de ferida na alma
pra mim, uma das piores doenças.
poderia dizer que toda vez é assim,
mas não é verdade.
Nesse último ano a tendência foi bipolar
colocando sempre em dúvida meus sentimentos
fui exposta ao fogo
5 tiros de 38 no peito
sobrevivi, mas noto bastante diferença,
algumas só eu mesma percebo,
outras são apontadas, como se fosse
necessário "ser" pra alguém ver.
eu ainda sou menina
que sente falta de mimos,
e chora no escuro abraçada ao travesseiro
brinco, danço em frente ao espelho
e fico extremamente irritada quando quero chamar a atenção e não consigo!
nessa brincadeira de mulher,
cozinho, lavo, passo, uso salto e trabalho o dia todo.
mas assim, tão próxima do dia,
queria mesmo era passear na grama verde, colher flor,
correr contra o vento, sujar o vestido, pular no rio...
livre, livre, com um sorriso meu que eu achei esses dias atrás, em uma daquelas fotos guardadas... cabelo voando, felicidade, muita felicidade e um sorriso que não cabe na boca.
meu presente seria essa sensação!

sexta-feira, 18 de julho de 2008

video

Quando piso em folhas secas
Caídas de uma mangueira
Penso na minha escola
E nos poetas da minha Estação primeira

Não sei quantas vezes
Subi o morro cantando
A luz do Sol me queimando
E assim vou me acabando

Quando o tempo avisar
Que eu não posso mais cantar
Sei que vou sentir saudade
Ao lado do meu violão e da minha mocidade

terça-feira, 15 de julho de 2008


foi como se tudo estivesse em "reprise".
"deja vu"?

sensação de andar de bicicleta no começo do inverno...

moleton, tênis confortável e café quente na chegada.

foco no olhar, ora distante, ora dentro do pensamento.

mais ou menos assim,

muito íntimo, muito misterioso

muito livre... muito leve...

pluma branca na palma da mão (esperando o vento).

eu igual borboleta, posso voar, posso ficar.

.

são dois palmos,

.

uma pluma,

.

uma borboleta,

.

e é melhor não fechar a mão.

quarta-feira, 9 de julho de 2008

E
S
C
A
S
S
O
detido na prateleira mais empoeirada;
caco de vidro na sola do pé.
em tempo frio
pingou gota de chuva na ponta do nariz,
e eu acordei num sonho bom...