terça-feira, 9 de setembro de 2008

Do meu poeta predileto:

Ode ao amor

Amor ao Vento
é o sentimento da brisa
que dorme ao relento

orvalho teu viaja
a madrugada através
dos sonhos

versos em vão.
é o que eu sou:
uma curva de rio

um violino solitário
uma árvore em transe
exposta ao crime do mundo

predisposto à embriaguez
surdo ao excesso de luz:
o que é muito claro incomoda

"o que é muito maduro
apodrece logo"

e o que é sempre verde
conhecerá novas cores jamais!

espero não acordar amanhã
deixo alguns versos para o mundo que deixarei

saudades nunca, apenas lembranças
memórias não,
recordação.

vou deixar que o leve vento leve e espalhe o grão-de-pólen
eles não sabem o que fazem mesmo
quando pensam que escolhem.

"sei que vou morrer, não sei a hora"
levarei saudades da amora...

www.flordoacaso.blogspot.com

4 comentários:

a clara menina Clara disse...

Quantas saudades daqui, dessas músicas inspiradoras e desse tanto de poesia.
Ode aos poetas, dona moça! Ode aos poetas, que eles vivam e nos façam renascer sempre.

Um beijo!

vimaguin disse...

...minina linda, muahhhh! fiquei muito feliz e agradecida com sua doce visita lá em casa, e tbm emocionada em saber que estou entre seus favoritos...estou me familiarizando com o blog e te prometo que assim que eu entender desta "luta", linkarei sua página como uma das minhas preferidas, pq adoro poesias e delicadezas...e aqui tem tudo isso...paz, lindeza!

Narradora disse...

Doce e leve, bom de ler e bom de ouvir.
Bjs

Bárbara M.P. disse...

Amém...