segunda-feira, 24 de março de 2008

o amor me merece?

as palavras despencam no pensamento
e oque hei de cantar quando o fim me cumprimentar?
o som mudo do amor incontido,
a miséria do frio em pleno calor.
serei eu cega ao olhar despido,
surda ao canto da chuva na terra.
dançarei de frente ao espelho,
cadenciadamente
olhando a felicidade forçada
refletida nas unhas vermelhas e no copo de vinho,
na cor dos lábios e o rimel nos olhos.
nada natural, tudo invocado,
proporcional ao vazio,
ao copo vazio
ao co r po vazio
à alma arredia.

7 comentários:

Camilinha disse...

Nossa! Arrepiei. Isso aí é tão eu-me-sentindo-assim-neste-exato-momento...

...recolhendo migalhas da felicidade dos outros...

beijos daqui...

Juliana Caribé disse...

Achei fantástico!

Cada palavra, nesse salto em altura, voa sem ver onde vai parar. Plana, sem saber onde aterrisar, cai, sem saber como subir. E cheias de medo, encolhem-se, numa tentativa vã de diminuir o impacto e a dor.
Mas elas não sabem que estão escondidas na canção silenciosa que o vento sibila aos seus ouvidos.
Elas não sabem que não sentem frio somente por causa da adrenalina que corre em suas tintas.
Elas não vêem que, já que a morte é inevitável, o melhor seria aproveitar o vôo.
Elas não ouvem as preces que os anjos tecem em fios de nuvem para cada metro que elas despencam.
É uma dança sem par, última. E elas não conseguem enxergar o azul, mas visualizam o vermelho que existirá em breve, quando elas não mais estiverem no ar.
Nada natural, essas palavras colocadas propositada e estrategicamente em seus lugares, e empurradas de uma mão a outra, sem nem perguntar a elas o que elas queriam.

Nada natural, proporcionado ao vazio das mãos que escrevem, desordenadamente, pensamentos em um pedaço infinito de papel, só para vê-las cair dali e ter alguém com quem compartilhar a dor.

(e isso não é uma alma arredia?)

Beijos, Ana.

SAMANTHA ABREU disse...

ai, como me pergunto isso!

Que poema belo!

Um beijO!

Filipe Garcia disse...

Achei fantástica a pergunta: "e oque hei de cantar quando o fim me cumprimentar?" e fiquei pensando em coisas que já havia pensado antes do tipp: quero deixar um legado pras pessoas e pro mundo antes de morrer.

E todas suas palavras bem selecionadas e bem colocadas me causaram prazer - sim, porque também se sente prazer em ler palavras. E eu gostei de tudo isso, muito mesmo.

Beijos.

Criiis ;) disse...

Um friozinho na barriga me deu!
muito bom!
beijos :*

Amanda Bia disse...

eu bem conheço esse vazio... de onde vem tanto nada?!
beijos!

Sabrina disse...

sofrimento e incômodo.
ainda assim, prefiro o vazio do que o cheio. pois o vazio ainda pode conter tudo! o vazio é cheio de esperança. o vazio abraça todo o amor que você merece.
beijos!