quinta-feira, 20 de março de 2008

A solidão é meu cigarro

Vida comizinha
Vem comer na minha mão
Vou cruzar a linha do horizonte
Bangaré
Vãos-se os dedos e os anéis
Ficam os acenos
Uns com mais e uns com menos convicção
A certeza é uma mesa
Pasta junto ao cume do vulcão
Ando tão à flor da pele,
Que meu desejo se confunde com a vontade de não ser,
Ando tão à flor da pele,
Que a minha pele tem o fogo do juízo final

(Zeca Baleiro)

8 comentários:

Camilinha disse...

Eu ando à flor da pele desde que nasci...

beijos daqui...

Gonzalo disse...

Oi Ana Cláudia.

A Juliana Caribé indicou você para ser a próxima entrevistada do Entre Vistas. Se estiver interessada, mande um e-mail para gonzalofred@yahoo.com.br

abraços

Carolina de Castro disse...

Ei Ana!! =P
Vim aqui ver aonde vc anda colocando suas delicadezas!!
Beijo grande e feliz páscoa!
Boas renovações!

Juliana Caribé disse...

Adorei! E adoro Zeca Baleiro também.
Aqui está cada dia mais delicado...

Beijos.

Filipe Garcia disse...

bonito isso né?

Amanda Bia disse...

linda música!
ele é mto bom, né?!
beijos!

Verena Rabenschlag disse...

Ando muito a flor da pele. Talvez até demais. E o pior é que nem sei bem o porque.
=*

Juliana Caribé disse...

Atualiza, moça...