segunda-feira, 5 de maio de 2008

na eterna busca, em torno de seu próprio eixo, em torno de seu apoio, dentro de sua própria direção. o que é felicidade pra você? quando as luzes se apagam, sua sombra companhia te diz algo sobre moral? alguém te cobra uma postura póstuma? quando jogam-te no mundo, não lhe ditam os perigos, e nem o dom de enxergar espíritos ruins. a maldade veste prada, é coberta de beleza, enche os olhos no primeiro instante. mãe, ouço seus sussurros, bem baixinho soam em minha lembrança, quero eu gravar todos esses ditos, e começar denovo, quero segui-los, tu és sábia, e eu meninaquerendosermulher já menosprezei várias vezes seus dizeres tão importantes. olha, as panelas estão sujas na pia, e se eu estiver com preguiça eu durmo com fome, porque as roupas, ah! as roupas tem que ser penduradas no varal. semana passada, molhou todo sofá, e já faz uns 6 dias que uso a mesma calça jeans. ontem mesmo, enquanto varria a sala, pensei em juntar poeira embaixo do tapete, mas não tem graça, eu mesma que vou ter que limpar depois. não é simples. as vezes ouço uma voz bem longe, e entro em casa correndo pra abraçar não sei quem: ninguém. na grande falta do que falar, escrevo, escrevo bastante, mas nem sempre arrisco a deixar alguém ler.

6 comentários:

Paloma disse...

"(...)quando jogam-te no mundo, não lhe ditam os perigos(...)"

Ana, eis uma indignação, um desabafo e um pedido que é seu e que é também meu, manifestado nas suas palavras: alguém pode me ensinar o caminho das pedras porque já doeu demais chegar até aqui?!

Lindo texto, parece ter vindo de um lugar muito íntimo, muito seu, cada palavra pulsa e eu adorei.

Tiago Abreu disse...

que dizer diante desse diamante?
resplandeces, Ana, um sol dentro da noite... podes estar certa de que eu sinto cada brilho originário das tuas relíquias d'alma... estou te vendo, mesmo sem poder te tocar, te dizer, chamar... podes ouvir o silêncio? sabes agora como é o sol do deserto? perdão por te amar assim

Juliana Caribé disse...

Quanta angústia pairando por aqui...

A vida é assim mesmo: cada um por si e cada um por si. Apenas assim.

Beijos.

Sabrina disse...

texto lindo demais, sentimentos profundos demais.
que falta nossas mães nos fazem, especialmente quando nos faltamos.
vamos em frente, que elas (mães) também moram um pouco aqui dentro.

beijos...

obs.: linda foto! enfim, hoje gostei demais de tudo!
:)

Bárbara M.P. disse...

Quando a gente pensa que já nos mostraste o teu melhor...

Germano V. Xavier disse...

Ana,

Escrever é sempre auto-flagelo, dor de doer até osso e vontade de mentir e ser a essência.

Acho bem normal teu sofrer e tua dúvida. Sofro tal...

Beijos mais...

Germano
Aparece...