segunda-feira, 3 de março de 2008

desánima

ela, estranha que só
pensava sempre no pior.
pensava em mudar de religião,
mudar de cidade ou
mudar de médico.

tinha medo de encosto,
alma penada e assombração.
acendia uma vela,
mas rezar que é bom...
acabava dormindo antes.

morria de medo da verdade,
era inimiga da consciência.
queria viver em paz,
procurava a liberdade.
descobriu ganhando anos:

o sentimento depende da verdade pra existir.

3 comentários:

Thallen disse...

ADOREI o seu blog, posso add no meu? *-*

Juliana Caribé disse...

"O sentimento depende da verdade pra existir". E não é que é verdade?

Adorei a música do blog!

Beijos.

Tiago Abreu disse...

amora, extremamente fortes esses versos...
sei lá viu, acho que nunca te vi tão madura, meu amor!
parafraseando-te, digo: a existência é o verdadeiro sentimento!
"era inimiga da consciência" me doeu, a inverdade... o inconsciente.
Jung e a anima, pesquisa isso, verá o quanto você bebeu de fontes arquetípicas ao escrever estes versos.
primeiro: A "anima" é a porta para o mundo secreto, o subsolo do inconsciente; e você expressou isso em "era inimiga da consciência"; minha interpretação livre. mas ela não morre de medo da verdade.
linda