segunda-feira, 7 de abril de 2008


Essa manhã chuvosa, céu nublado, ouvindo Saudade da Chiquinha Gonzaga, esse piano aqui nos meus ouvidos, o mundo acontecendo ali de fora da janela... a árvore que fica aqui na minha frente, embaçada, balança suas folhas, dançando no ritmo de toda essa Saudade que também é minha. Aquele gosto de querer mais, aquela expressão única, aquele sorriso que sai de canto, aperta as covinhas e enxe os olhos de sonhos... sonhos e sonhos... regar o vaso de flor adianta e muito, talvez aquela flor que parece morta, só precisa mesmo é de novos sonhos, nova motivação! Ao som. Embalados por aquele nosso som, aquele que canta tantas lembranças, tanta vida. Aquela flor, a semente de girassol, e o papel verde escrito primeiras palavras de paixão. O leite das crianças, o mar. E tudo começou de repente, não mais que de repente... não há como conter as lágrimas, é um choro de felicidade, um gozo de saudade, é deliciar-se de amor. Não existe chama... é movido pelas estrelas, num céu que é nosso, cúmplice e amigo. Hoje eu lembrei das estrelas, na época em que elas lançavam os versos pra gente se amar, 1 ano, sonho e saudade, expectativa e poesia. Acho um privilégio, nunca ouvi falar de estrelas amigas, que guardam uma história de amor tão grande assim. É tão bom amar, amar clichê num domingo chuvoso, domingo rodeado das crianças que enchem a gente de sonhos e amor puro. Eles sabem bem como deixar nossos corações apertadinhos. O amor nasceu hoje. Abril chega e invade a gente com tanta água... é só o começo...

4 comentários:

teo netto disse...

Que o amor comece e prossiga sempre bem.
Um abraço.

Paloma disse...

Amor que nasce da saudade, saudade do amor que nasce.E, sobretudo, prefiro o amor sem chama, amor à meia luz, cheiro de chuva e gosto de para sempre.
Lindo texto, Ana.
Beijo e ótima semana!

Tiago Abreu disse...

amora, assim eu não consigo conter as...
é a expressão mais linda que já ouvi: "não existe chama... é movido pelas estrelas (...) elas lançavam os versos pra gente se amar", lindo infinito, maravilha dos teus versos, eu te amo inteira, me emociona, me toma por inteiro, toca meu chão fundo, meu presente mais-que-perfeito...
e que domingo lindo, matinal, nossas crianças deixam saudades daquela união de mãos e risadas de bebês naquele dia... saudade grande daquela pequena que viajou de volta...
a pequenina cabelos-de-fogo no teu colo deitada, como um anjo deitado na lua minguante...
e o meu cabelo-de-fogo companheiro de passeios na floresta, nunca vou esquecer... e foi tudo mais-que-amor porque tu Ana estavas lá.

Sabrina disse...

então mergulhe fundo!
beijos felizes por ti!